Bernardo Riedel

Aos 13 anos de idade começou a se interessar pela astronomia e por instrumentos astronômicos, construindo o seu primeiro telescópio. Na década de 60 ingressou na Universidade e devido as dificuldades de mercado na área da astronomia, optou pela área biomédica, formando-se na Faculdade de Farmácia e Bioquímica da UFMG com  a especialização em diagnóstico de doenças tropicais.

Em 1970 foi aprovado para professor na UFMG na área de Parasitologia Clínica, e convidado a ser presidente do Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais (CEAMIG). Em 1978 , abandonou a profissão e se dedicou inteiramente a astronomia e a fabricação dos telescópios. 

Uma modesta oficina que já possuía foi transformada em uma pequena fábrica para a produção de telescópios em série, o objetivo foi divulgar ciência e tecnologia através dos telescópios e dos mais de 15 observatórios que montou em nosso país, construindo inclusive as cúpulas. 

Hoje, aos 78 anos, segue fabricando estes instrumentos e restaurando observatórios existentes. E neste ano de 2018 está completando exatamente 65 anos desde que fabricou o seu primeiro telescópio. 

Palestra: Da Luneta de Galileu aos novos e Revolucionários Super Telescópios

Uma verdadeira revolução na ciência ocorreu quando, em 1609, Galileu Galilei trabalhando dois pequenos pedaços de vidro os transformou em lentes de um instrumento óptico rudimentar.  No decorrer dos séculos seguintes, o desenvolvimento científico e tecnológico permitiu a construção de telescópios cada vez maiores e melhores. Mas foi no século XX  que houve um gigantesco impulso na criação de instrumentos formidáveis que permitiram nos localizar no Universo e determinar como surgiu e quando. Mas com o desenvolvimento de outras áreas, como a informática e a tecnologia de novos materiais, nada mais se compara aos revolucionários telescópios que estão sendo construídos e aos projetos de outros ainda mais avançados e que se parecem mais com ficção científica.  Estão em busca de planetas parecidos com o nosso orbitando outras estrelas e que poderiam abrigar vida, querem observar o início do Universo e do tempo, há 13,7 bilhões de anos e o que existia antes, se é que existia, e o que extrapola o nosso entendimento: a existência de outros universos paralelos ao nosso e igualmente monstruosos.