Clarissa Reche

Mestranda em Antropologia da Ciência e Tecnologia, é formada em Design e Ciências Sociais. Interessada pela complexa relação entre corpo e tecnologia, desenvolveu pesquisas na área da sexualidade e atualmente pesquisa junto com um grupo de biohackers, acompanhando os efeitos da cultura hacker no fazer científico. Além disso, é mentora de projetos empreendedores de jovens que usam tecnologia digital para mudar a realidade social em que estão inseridos.

Palestra: Hackeando a Ciência: um panorama do biohacking em São Paulo

O termo biohacking abrange uma vasta gama de práticas: desde modificações corporais como implantes de chips até a construção de laboratórios em garagens. O que antes estava reservado para os livros de ficção começa a ganhar corpo no mundo real: São Paulo é hoje uma das cidades que fazem parte de uma rede mundial de entusiastas que questionam os limites e possibilidades da ciência fora de grandes instituições. Esta palestra trará um panorama histórico do biohacking no mundo e a atual cena que está se estabelecendo em São Paulo, além de tratar de conceitos chave como biologia sintética, diybio e ciência aberta.